Potencial do Planalto Central para a vitivinicultura é destaque na AgroBrasília Digital

Potencial do Planalto Central para a vitivinicultura é destaque na AgroBrasília Digital
jul
09
Qui

Vinhos de inverno produzidos na região apresentam alta qualidade e características únicas

Continuando a programação da AgroBrasília Digital, ocorreu nesta quinta-feira, 9 de julho, a live “O potencial da vitivinicultura no Planalto Central”. O evento foi transmitido pelo YouTube da AgroBrasília e na plataforma https://digital.agrobrasilia.com.br/.

Conduzido pela jornalista do Sucesso no Campo, Fabélia Oliveira, o painel abordou o panorama da região do Planalto Central e suas características únicas que propiciam o cultivo de uvas para vinhos finos. Ronaldo Triacca, presidente da AgroBrasília e vitivinicultor, pontuou as peculiaridades da região que favorecem a diversidade de culturas – o clima com períodos de chuvas e de estiagem bem definidos e a grande área irrigada com mais de 250 mil hectares.

O viticultor e sommelier Rodrigo Sucena falou de algumas das características únicas de solo, clima e manejo do Planalto Central, o chamado Terroir. Entre os destaques, a aplicação da dupla poda, técnica que faz a planta alcançar sua maturação no inverno, estação seca que favorece a concentração dos açúcares e a redução dos ácidos nas uvas.

Isabela Peregrino, enóloga da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), apresentou os desafios à adoção da maturação tradicional na região e que levaram à criação da dupla poda ou inversão de ciclo. A técnica permite a produção de vinhos finos de inverno, com qualidade equiparável a de produtos internacionais renomados.

Combate ao preconceito

O chefe da Embrapa Uva e Vinho, José Fernando da Silva Protas, pontuou os desafios que a vitivinicultura brasileira enfrenta. Em especial, o preconceito que os produtos nacionais sofrem, sendo preteridos no mercado diante dos importados.

No fim, o painel levantou possíveis soluções para reforçar a imagem dos vinhos finos brasileiros perante o consumidor, a fim de incentivar o consumo desses produtos no mercado. Além da necessidade de políticas públicas para estimular a produção nacional.